sábado, 4 de outubro de 2014

O CRENTE DEVE GUARDAR O SÁBADO? Por Esequias Soares

Os defensores afirmam que a guarda do sábado está na lei e que por isso deve ser observado de geração em geração porque éu um dos preceitos da Lei de Deus, que segundo eles é a mesma lei moral. Assim classificam a lei de Lei Moral e Lei  Cerimonial. os  Dez Mandamentos são a Lei Moral, chamada de Lei de Deus e a Lei Cerimonial, chamada por eles de Lei de Moisés. Esse arranjo adventista não  pode ser confirmado na Bíblia. Vamos aos fatos.

O Decálogo é o esboço e a linha mestra da Lei de Moisés registrado em Êx 20.1-17 e Dt 5.6-21, o sumário de toda a lei. Do grego deka "dez", e  logos  "palavra", usado na  Septuaginta para traduzir a expressão hebraica asseret hadevarim  "as dez palavras"   (Êx 34.28; Dt 4.13 ; 10.4), com o sentido de "mandamento", pronunciamento, princípios".  Por essa razão o Decálogo ficou conhecido universalmente como  os "Os Dez Mandamentos".

A Bíblia afirma que existe só uma lei. Os judeus interpretam assim: um só Deus, um só legislador, portanto, uma só lei. O que existe, na verdade são preceitos morais, preceitos cerimoniais e preceitos civis. É chamada de Lei de Deus, porque teve sua origem Nele. Lei de Moisés porque foi Moisés o legislador que Deus escolheu  para promulgá-la no Sinai.  Os  preceitos, tanto do Decálogo como os fora dele, são chamados alternadamente de Lei de Deus ou do Senhor e Lei de Moisés (Lc 2.22,23 e Hb 10.28). Não são duas ou três leis, mas uma só lei apresentada por esses nomes (Ne 8.1,2,8,18).

Há princípios que são imutáveis e universais. Não há para eles a questão de transculturação. Onde quer que o Evangelho for pregado esses princípios estão presentes, que chamamos de preceitos morais ou éticos.  Os dois maiores mandamentos são preceitos morais (Mc 12.29-31),  entretanto, não constam do Decálogo, é uma combinação de Dt 6.4,5 com Lv 19.18. Por outro lado, encontramos no Decálogo o quarto mandamento, que não  é  preceito moral.  Jesus disse  que o sacerdote podia violar o sábado e ficar sem  culpa (Mt 12.5).

A questão não  é o sábado em si, mas o fato de que não estamos debaixo do Antigo Concerto (Hb 8.6-13). A Palavra profética previa a chegada do Novo Concerto (Jr 31.31-33). e o fim do sábado (Os 2.11), que  se cumpriu em Jesus (Cl 2.14-17), por essa razão, o sábado não aparece nos quatro preceitos de Atos 15.20,29.

Fonte: Resposta Fiel.   Pastor Esequias Soares

Um comentário:

  1. Não da nem para comentar tamanha falta de luz.Querido irmão Ezequias ore a Deus que lhe ilumine, Prov.28:5, Os homens maus não entendem o que é justo, mas os que buscam ao Senhor entendem tudo. "lembre-se que os fariseus eram doutores da lei e estavam enganados" Oseias 2:11 caro amigo, (festas que celebravam o primeiro dia de cada mês ver-num-28:11-14, dias de repouso. Alguns usaram este versículos como uma de que ser abolido o sábado como dia de repouso semanal.Entretanto,um cuidadoso exame do contexto da passagem prova a falsidade desse raciocínio.O profeta declara aqui que todas as festas e dias de santo gozo do reino do norte cessariam devido ao próximo cativeiro da nação. neste texto não prediz a abolição do sábado nem de nenhum serviço religioso, mas a extinção de uma nação rebelde. Todos os cristãos estão de acordo em que Deus não desejava que a páscoa,ou qualquer outra festa anual que ele havia instituído, fora abolida nesse tempo em particular,que estava a vários centenares de anos antes do advento de Cristo. Para ser consequentes devemos acreditar que o autor bíblico nem se quer insinua aqui que ia ser abolido o sábado semanal de Deus, já fora nesse tempo ou outra qualquer data futura.

    ResponderExcluir