quinta-feira, 4 de julho de 2013

Comentários acerca do Evangelho de João 21.15-17. Reflexão

21.15ª (  Pergunta) Você realmente me ama mais do que o resto dos discípulos como se gabava (Mt 26.33-35) ?  Ele se gabava de possuir o maior amor, e nenhum ( com exceção de Judas)  havia negado Jesus  tão enfaticamente .  Pedro respondeu humildemente.  21.15b Jesus usou o verbo grego agapao nas primeiras duas perguntas, que significa ardentemente, supremamente, perfeitamente, enquanto Pedro respondeu com o verbo phileo,  gostar, sentir amizade pelo outro.  Na terceira vez, o Senhor usou Phileo, o que humilhou grandemente Pedro.  NOTA:  Bíblia de Estudo Dake Copyright@2009 – CPAD e Editora Atos
21.17 Pela terceira vez.  Pedro não se entristeceu porque Jesus muda ligeiramente o vocabulário nessa última pergunta, mas porque as três perguntas sobre o seu amor por Jesus, certamente o lembraram de suas três negações recentes. Em sua bondade, Jesus deu a Pedro a oportunidade de confessar o seu amor e reafirmar o seu chamado para servir ao Senhor. Reagindo com muito gratidão, Pedro chama Jesus de “o Supremo Pastor” (I Pe 5.4).  Fonte: Bíblia de Estudo de Genebra, 2ª edição@2009 – Editora Cultura Cristã – SP – SP

1(21.15) Nos vs. 15-17 dois diferentes verbos gregos foram usados para “amar”: agapaõ, amar profundamente, usado para com o amor divino em 14.21, e o amor que a lei exige (Lc. 10.27); e phileõ, gostar de, um amor de grau inferior que  agapaõ, como o amor entre os amigos.  Nos dois  primeiros exemplos, onde o Senhor  pergunta a Pedro:  “Amas-me?” Ele usou agapaõ; mas Pedro, lembrando-se de que tinha negado o Senhor três vezes e consciente agora de sua própria fraqueza, não se atreveu a responder com uma palavra tão forte como agapaõ. Em vez disto, ele emprega phileõ na sua resposta: “Sim, Senhor, tu sabes que te amo”.  Quando o Senhor o inquiriu pela terceira vez:  “amas-me? “ , Ele usou a palavra menos forte, phileõ.  E novamente o discípulo  humildemente respondeu: “Senhor, tu sabes todas as cousas, tu sabes que eu te amo (phileõ)”.
2(21.15)  A repetição tripla que Cristo  faz do pronome  “meu” – “meus cordeiros”... minhas ovelhas... minha ovelhas”  (vs, 15m16m17) – faz que todos  os cristãos que são responsáveis por outros se lembrem que as pessoas  sob as suas ordens pertencem antes de tudo, a Cristo. Os pastores, os missionários, os professores e os pais não passam de vice-pastores a cujos cuidados as ovelhas de Cristo foram entregues.  Comp. Hb 13.20 ;  I Pe 5.3.
3(21.17)  Com a sua auto-confiança grandemente abalada por ter há pouco negado o seu Senhor, Pedro se sente indigno de expressar o seu amor a Cristo com a palavra mais significativa aoapaõ, e portanto ele usa a mais fraca phileõ.. Veja 21.15, nota.  Jesus agora condescende com a auto-avaliação de Pedro, dizendo:  “Ainda que você não confie em suas próprias emoções para usar a palavra agapaõ, ainda assim você deve Apascentar minhas ovelhas”.  Nosso dever para com Cristo deve depender não da força de nossos sentimentos subjetivos, mas de nossa percepção do que Ele fez por nós.   Fonte:  Bíblia com as referências e anotações de Dr. C.I. Scofield – IBRB – 1982

21.15-17 – Jesus perguntou três vezes a Pedro se este o amava.  Na primeira vez, Jesus disse:  “Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que a estes?”  (No texto grego foi usado o termo apape, que se refere ao amor volitivo, sacrificial.)  Na segunda vez, Jesus repetiu a pergunta, usando novamente o termo grego ágape, mas focou somente Pedro.  Na terceira vez, Jesus usou o termo grego  phileo, que significa, afinidade ou amor fraternal, estava perguntando a Pedro: “Você é meu amigo?” Nas três vezes em que foi interpelado por Jesus, Pedro respondeu utilizando o termo grego phileo.  Jesus não está em busca de respostas rápidas e superficiais. Ele tem a habilidade de alcançar o âmago de qualquer questão.  Pedro teve que enfrentar os seus verdadeiros sentimentos e motivações quando Jesus  lhe perguntasse:  “Você me ama?”  Você realmente ama Jesus?  Você é amigo dele?  FONTE: Bíblia de Estudo Aplicação Pessoas @CPAD 1995 - SP


Nenhum comentário:

Postar um comentário